Politics, Business & Culture in the Americas
Piracy

Novo AQ: Como colocar um freio na pirataria – e proteger os gênios latino americanos

A pirataria e a falsificação são um pesadelo na vida dos profissionais criativos da região. Eles merecem ser protegidos.
covertop

TREVETT MCCANDLISS

Este artigo foi adaptado da matéria impressa da AQ sobre a pirataria na America Latina | Leer en español Read in English

Que ano foi 2018 para a área criativa da latino americana: o mexicano Alfonso Cuarón tem chances de ganhar o Oscar de melhor filme por Roma. Os três músicos que mais tocaram no YouTube em todo o mundo foram dois porto-riquenhos e um colombiano. Artistas que fazem parte da história passada (a brasileira Tarsila do Amaral) e contemporânea (a cubana Tania Bruguera) foram celebrados em museus e galerias de Nova York, Londres e outros países.

De fato, o talento artístico da América Latina há muito é venerado em todo o mundo. Mas a região deixa muito a desejar quando se trata de proteger o trabalho de sua classe artística, seus cineastas, compositores e designers. Novas tecnologias tornam cada vez mais fácil para criminosos, muitas vezes com ligações a gangues internacionais, roubar ou falsificar a obra desses artistas. A menos que os governos comecem a tratar mais seriamente o roubo de propriedade intelectual, a região será privada de futuros tesouros culturais — e um motor crucial para as economias latino-americanas do século XXI.

Alguns leitores podem ver essa afirmação como um exagero. Na região mais violenta e desigual do mundo, a pirataria é frequentemente descartada como um crime sem vítimas e até mesmo justificável. Roubar um sinal de TV a cabo, ou comprar uma camiseta de futebol falsificada, é algo visto como um problema das grandes empresas. Afinal, elas não têm condições de “perder” vendas para alguns clientes, especialmente aqueles que são pobres demais para pagar o preço do produto original?

Mas como nossa reportagem especial mostra, o problema, no entanto, é muito mais complicado — e insidioso. A chamada “caixa de TV” exibida em nossa capa, um aparelho ilegal que permite aos consumidores assistir a qualquer conteúdo de vídeo — incluindo o filme Roma, da Netflix — por uma taxa única de cerca de R$ 500, é uma verdadeira emergência para as indústrias do cinema e TV. Visite qualquer feira de rua das cidades latino-americanas e você verá que muitos dos consumidores que compram os produtos pirateados são da classe média ou alta, e não pobres. E bens pirateados respondem por até 2% do PIB da região, de acordo com o Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade.

O efeito negativo disso em inovação é assustador. A chamada economia “laranja” ou economia criativa da região emprega cerca de 10 milhões de pessoas, mas o potencial é certamente maior. O presidente colombiano Iván Duque quer dar impulso à economia proveniente do setor criativo do país, para que ela cresça muito além dos atuais 3,3% do PIB  — ante uma média global de 6%. Ele acredita que isso ajudará o país a ser menos dependente de commodities. A estratégia poderia ajudar a proteger trabalhadores de tendências futuras; é difícil imaginar robôs tirando os empregos de gente como Shakira, Bad Bunny ou os mariachis que cantam na Plaza Garibaldi, na Cidade do México.

Este é o momento para os governos agirem. Não há solução fácil, e punir os consumidores parece ineficaz. Mas algumas medidas podem ajudar: o bloqueio de sites na internet conseguiu reduzir o consumo de TV pirateada na Espanha, enquanto o Brasil já reduziu sua dependência de software pirata pela metade desde os anos 80. Os países devem pressionar a China, fonte de dois terços dos produtos falsificados no mundo, a combater a pirataria. Um aumento nos orçamentos da alfândega e da polícia também ajudaria. Com um passo de cada vez, a pirataria pode ser tratada como o crime sério que realmente é.

ABOUT THE AUTHOR

Brian Winter is editor-in-chief of Americas Quarterly and the vice president for policy at Americas Society/Council of the Americas. A best-selling author, analyst and speaker, Brian has been living and breathing Latin American politics for the past 20 years.

Like what you've read? Subscribe to AQ for more.
Any opinions expressed in this piece do not necessarily reflect those of Americas Quarterly or its publishers.

Like what you're reading?

Sign up for Americas Quarterly's free weekly newsletter and stay up-to-date on politics, business and culture in the Americas.