Politics, Business & Culture in the Americas
Gender Equality

AQ Top 5 Líderes de Igualdade: Miguel Fontes

O brasileiro que promove o repensar da masculinidade.
Courtesy of Promundo

Este artigo foi adaptado da reportagem especial da AQ sobre alcançar igualdade de gênero | Read in English | Leer en español | Clique aqui para ver os outros Top 5

Miguel Fontes é machista. Ele mesmo diz. Ele também diz que isso não faz bem para a saúde.

Depois de quase uma década trabalhando em projetos relacionados à prevenção de HIV e AIDS, conscientização sobre os perigos das drogas e desenvolvimento de jovens, Fontes diz que ficou claro que havia um forte componente de gênero na raiz desses problemas de saúde pública. Foi então, em 1997, que ele decidiu criar o Instituto Promundo no Rio de Janeiro, em parceria com Gary Barker, um doutor em psicologia do desenvolvimento.

O Promundo ajuda homens a repensar a masculinidade por meio de oficinas, treinamentos e campanhas. Fontes, um brasiliense de 51 anos, afirma que todo homem é machista até certo ponto, e isso impacta comunidades, famílias e indivíduos. Estudos revelam que os programas do Promundo ajudam a reduzir a violência de gênero e também levam a uma maior participação masculina nos cuidados com a família e em tarefas domésticas.

“Os homens nunca têm tempo para pensar em como fomos educados e o que é masculinidade,” diz Fontes, que é diretor executivo do Promundo Brasil. “Não nascemos violentos ou machistas — isso é adquirido e aprendido ao longo de nossas vidas.”

Fontes é doutor em saúde pública pela Universidade Johns Hopkins, e enfatiza que as implicações negativas da cultura machista prevalecente vão além do impacto sobre as mulheres; se refletem na expectativa de vida mais curta dos homens, nas taxas mais altas de doenças coronárias relacionadas ao estresse e também de encarceramento.

“Não nascemos violentos ou machistas — isso é adquirido e aprendido ao longo de nossas vidas.”

O Promundo já atua em cinco países e sua metodologia já foi replicada em mais de 60 países em parceria com governos, empresas e organismos internacionais.

“A igualdade de gênero é a chave para mudar o mundo”, diz Fontes. “As mulheres têm nos dito [aos homens] sobre nosso papel na perpetuação da desigualdade de gênero — e é hora de ouvirmos.”

Reina é diretora de produção na AQ


Tags: Gender, Gender Equality, Health, men
Like what you've read? Subscribe to AQ for more.
Any opinions expressed in this piece do not necessarily reflect those of Americas Quarterly or its publishers.
Sign up for our free newsletter