Politics, Business & Culture in the Americas

Novo na AQ: Paraíso de hackers: Por que a América Latina é tão vulnerável a ataques

O amor da América Latina por tecnologia tem um custo oculto: a vulnerabilidade a ataques cibernéticos. Este especial da AQ mostra quais são os riscos e o que pode ser feito para lidar com eles.
Reading Time: 2 minutes

Esse artigo foi adaptado da reportagem especial da AQ sobre a cibersegurança Read in English | Leer en español

O amor da América Latina por tecnologia e dispositivos modernos tem um custo oculto que está se tornando mais visível a cada dia: a vulnerabilidade a ataques cibernéticos.

O enorme ataque de ransomware que atingiu a Costa Rica em abril de 2022, paralisando as exportações do país e expondo gigabytes de informações confidenciais online, serviu como um sinal de alerta para toda a região. A América Latina e o Caribe são a região menos preparada do mundo para ataques cibernéticos, de acordo com um índice compilado por uma agência da Organização das Nações Unidas.

Isso é em parte o resultado de uma tendência positiva: após a pandemia, uma fatia gigantesca de nossas vidas passou a ser online, e a América Latina e o Caribe tiveram inovações consideráveis em áreas como fintech e comércio eletrônico. Mas essa transformação não foi acompanhada por esforços e investimentos para manter os sistemas digitais seguros, escreve a editora-chefe da AQ, Cecilia Tornaghi, em nossa matéria de capa. “O espírito empreendedor e inovador da América Latina não vem acompanhado de uma preocupação com a segurança”, diz Louise Marie Hurel, fundadora da Latin American Cybersecurity Research Network.

Especialistas dizem que ter um plano de segurança, assim como campanhas de educação e treinamento, é fundamental. De acordo com um estudo da IBM, 95% de todos os ataques cibernéticos começam com um erro humano. Um e-mail malicioso do tipo phishing, que leva alguém a clicar em um vídeo engraçado ou em uma oferta boa demais para ser verdade, é o que basta para que um malware se instale e se espalhe dentro de um sistema. E as tentativas abundam: segundo cálculos de especialistas, as empresas latino-americanas e caribenhas sofrem 1.600 ataques cibernéticos por segundo. Muitas vezes, um ataque não será detectado até que o ransomware comece, ou os dados apareçam para venda na dark web, como aconteceu com toda a população da Argentina e com cidadãos de Medellín depois que uma empresa de serviços públicos, a EPM, foi hackeada.

Embora a segurança cibernética seja um problema global, na América Latina, um atraso na adoção de nova legislação e a falta de conscientização muitas vezes deixam o problema para ser resolvido apenas por especialistas em tecnologia. Mas as equipes de TI não têm condições de solucionar a crise quando os investimentos necessários não são feitos. A segurança digital é um problema estrutural que precisa ser enfrentado pelas cúpulas executivas de grandes empresas e pelos habitantes de palácios presidenciais. Em suma, precisamos de liderança.


Tags: cyberattack, cybersecurity, Latin America, Regional cooperation
Like what you've read? Subscribe to AQ for more.
Any opinions expressed in this piece do not necessarily reflect those of Americas Quarterly or its publishers.
Sign up for our free newsletter