Banner Ad
Brazil

O que os livros de Bolsonaro dizem sobre sua forma de governar

Jair Bolsonaro exibiu vários livros de forma proeminente em seus vídeos nas redes sociais. Alguns títulos parecem dedicados ä sua base conservadora, outros para inspirar seus criticos.
EVARISTO SA/AFP/GETTY

Este artigo foi adaptado da nossa última edição impressa. Para acessar a reportagem completa clique aquiRead in English

Desde a sua eleição em outubro, Jair Bolsonaro vem exibindo inúmeros livros de forma proeminente em seus vídeos nas redes sociais. Algumas escolhas parecem ser feitas para agradar sua base conservadora, enquanto outras talvez tenham a meta de inspirar seus seguidores ou tentar uma conciliação com seus críticos. No geral, os livros ajudam a indicar quem é Bolsonaro e como será seu estilo de liderança.

Verdade Sufocada: a História que a Esquerda Não Quer que o Brasil Conheça
Autor: Carlos Alberto Brilhante Ustra

Em uma entrevista em julho, Bolsonaro chamou de seu favorito este livro escrito pelo torturador condenado Ustra. Bolsonaro dedicou seu voto em 2016 pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff a Ustra, que, como coronel do exército durante a última ditadura militar do Brasil, dirigiu o braço paulista da agência de inteligência que matou e torturou pessoas rotuladas como subversivas. Em Verdade Sufocada, Ustra nega ter participado pessoalmente de torturas, uma prática que Bolsonaro já apoiou  abertamente.

Memórias da Segunda Guerra Mundial
Autor: Winston Churchill

Em seu primeiro discurso após a vitória, Bolsonaro se referiu a essa versão abreviada das memórias de Churchill na Segunda Guerra Mundial e disse que seu governo seria inspirado por grandes líderes globais. Em uma entrevista na TV, o presidente disse que a mensagem de patriotismo de Churchill está em falta no Brasil. No Twitter, Eduardo, filho de Bolsonaro, disse que o caos da segurança no Brasil, como na guerra, exige a ascensão de líderes altruístas.

O Mínimo que Você Precisa Saber Para Não Ser um Idiota
Autor: Olavo de Carvalho

Esta coleção de ensaios e artigos do escritor que muitos consideram o pai filosófico da nova direita brasileira vendeu mais de 320 mil cópias. Inclui capítulos sobre temas como a democracia e o socialismo, o aborto, a intelligentsia e gayzismo, palavra usada para descrever o ativismo LGBTQ como uma ideologia totalitária. Carvalho articula para Bolsonaro suas críticas sobre a esquerda e a globalização de uma maneira complexa, mas acessível.

A Bíblia

Bolsonaro é conhecido por citar —  às vezes, erroneamente — o livro sagrado cristão para justificar seus pontos de vista, incluindo sua defesa da posse de armas. A religiosidade de Bolsonaro — que usa como slogan “O Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”— ajudou a construir sua imagem. Católico e também batizado no rio Jordão por um pastor protestante, ele foi o candidato preferido dos eleitores evangélicos, um eleitorado cada vez mais poderoso.

Constituição do Brasil de 1988

Depois que Bolsonaro proferiu numerosos discursos de campanha elogiando a ditadura militar e defendendo medidas inconstitucionais, ele recebeu exemplares da Constituição como presente de várias figuras públicas, incluindo juízes da Suprema Corte, o líder do Senado e da Procuradoria Geral da República. Talvez procurando aliviar a ansiedade desses líderes, Bolsonaro exibiu de forma proeminente a Carta Magna em seus vídeos nas redes sociais. Em um evento no Congresso em novembro para comemorar o 30º aniversário da Constituição, Bolsonaro disse aos legisladores que o documento era o “norte verdadeiro” da democracia brasileira.

--

O’Boyle é editor sênior na AQ. Siga-o no Twitter @BrenOBoyle

 

Like what you've read? Subscribe to AQ for more.
Any opinions expressed in this piece do not necessarily reflect those of Americas Quarterly or its publishers.



Like what you're reading?

Subscribe to Americas Quarterly's free Week in Review newsletter and stay up-to-date on politics, business and culture in the Americas.